quarta-feira, 11 de abril de 2018

eu sonhei 2

Eu sonhei que era possível levar estudantes das periferias para as melhores faculdades deste país, para que a gente não tivesse só juízes e procuradores da elite. Esse crime eu cometi. E é isso que eles não admitem.” - Lula

3:52




Eu sonhei.


segunda-feira, 9 de abril de 2018

Conexão de 4 Etapas | O Passo a Passo da Conexão que funciona



técnica de meditação, oração, conexão espiritual, acalmar o coração preocupado. #SejaLuz #EspalheLuz 

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

virus Oropouche circulando na Bahia.

Culicoides paraensis


É um dos mais importantes arbovírus que infectam humanos na amazônia brasileira, sendo registrado, desde a década de 60 no Brasil, um grande número de epidemias em diferentes centros urbanos nos estados do Pará, Acre, Maranhão, Tocantins e Rondônia. 

Em julho de 2017, dois casos foram  identificados no estado da Bahia pelo Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia (UFBA), sendo um de residente de Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, e um de residente de Salvador. O residente de Lauro de Freitas estava na cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, no período que antecedeu os primeiros sintomas e o caso residente de Salvador, teve história
de viagem, não sendo possível estabelecer se o caso é autóctone ou importado.

Em 13/12/17, o CIEVS Salvador foi notificado pelo Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia (UFBA) sobre a identificação do vírus Oropouche através da técnica de RT-PCR de um indivíduo residente em Salvador.

Culex quinquefasciatus

FEBRE DO OROPUCHE

A Febre do Oropouche é causada por um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes, como os mosquitos), cujos principais sintomas são febre e dor de cabeça seguido de mialgia, artralgia, falta de apetite, rash cutâneo, fotofobia, dor nos olhos, hiperemia conjuntival, apresentando ainda náuseas, diarréia, calafrios, bronquite, sensação de queimação no corpo, podendo evoluir, em casos mais raros, para meningite.

Os sintomas normalmente duram de quatro a cinco dias, sendo que em um terço dos casos pode haver uma recaída e os sintomas podem durar mais cinco dias.
O vírus Oropouche (VORO) é transmitido principalmente pelo mosquito da espécie Culicoides paraensis (conhecido como maruim), e também já foi identificado na espécie Culex quinquefasciatus (conhecido como muriçoca ou pernilongo). 

fonte: http://www.cievs.saude.salvador.ba.gov.br/informe-para-situacao-epidemiologica-da-febre-do-oropouche-em-salvador-ba/